Páginas :)

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

desabafo random

   À imenso tempo que não escrevo...parece que aos poucos isso vai-me matando, porque é uma parte de mim tão grande, é algo que me faz tão bem, é tão libertador e ao mesmo tempo, por vezes, é tão mau, porque me faz pensar, faz-me pensar a sério mesmo, de uma maneira tão profunda...tudo o que está enterrado lá bem no fundo vem ao de cima...e é uma mistura de emoções tão variadas, tão fortes, tão confusas, com tanto impacto e força...às vezes mais do que o que consigo aguentar...E depois quero expressar-me correctamente e não consigo, não consigo descrever bem aquilo que sinto e penso, falta sempre algo, ou não está descrito exactamente da maneira que eu quero. 
   Nem sei o que estou para aqui a dizer para ser sincera, acho que este texto vai ser um desabafo mesmo muito random...basicamente estou numa fase da minha vida em que acho que nada faz sentido, literalmente. Como hei-de explicar isto de forma a que se entenda?...sei lá, tudo na vida não faz sentido...mais esclarecidos? Eu sei que não, lá está o meu problema de me saber expressar...deve ser por isso que me considero uma pessoa tão diferente, sozinha e incompreendida...como posso ser compreendida se não me sei expressar não é?...A minha cabeça está invadida por perguntas desde "como se criou o mundo?", "o que é o mundo afinal?", "de onde surgiram as pessoas?", "porque é que o mundo é assim?" ou "como será o meu futuro?", "serei feliz?", "serei bem sucedida?", "o que devo fazer?", "serei forte o suficiente?"...
   Sinto que não faço nada da minha vida, o que é irónico visto que trabalho à um mês e durante duas semanas além de trabalhar, estudei. Felizmente amanhã é o meu último dia! Mas não é esse tipo de coisas que eu me refiro quando digo que quero fazer algo da minha vida...eu queria, de alguma maneira, mudar o mundo, torná-lo melhor, realizar os meus sonhos, sei lá...será uma utopia?
   Decidi passar esta passagem de ano sozinha em casa, só com os meus gatos, comida e uma garrafa de vodka kkkkkkk...sei que parece triste e solitário, mas neste momento, é o melhor pra mim...não tenho paciência pra ninguém, quero distância de toda a gente...
   Acho que o meu mundo hoje desabou, como já aconteceu algumas vezes...há uma explosão de emoções dentro de mim...não sou forte o suficiente, não consigo olhar em frente e nunca olhar para trás. Preciso de força, não me posso magoar mais, não posso. Mas porque é que não consigo ser feliz? É frustrante...
Bé Silvestre

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

my beautiful little girl, 17/11/2014

   Estou completamente apaixonada pela minha princesa linda! Tão pequenina e eu já tenho tanto orgulho nela, já sinto por ela algo tão inexplicável...adoro o facto de ele ser a minha cara chapada! De certa forma, ela fez-me ver as coisas de outra perspectiva, fez-me ter esperança, trouxe-me felicidade...não há palavras.
Bé Silvestre

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

domingo, 28 de setembro de 2014

once upon a time

   Once upon a time, there was a girl whose heart was broken. She was once a sweet sensitive innocent girl, however, after being hurt over and over again by many people, she changed. She became a completely different person, someone she couldn't even recognize...a cold distant person, who, unlike before, rarely cried.
   She was always smiling and she used to pretend like everything was fine, like she wasn't feeling all those horrible things, like she wasn't dying inside...But she was. The truth is that deep down, she was really, really destroyed inside...feeling lonely, empty, desperate, without a purpose...she needed help, support, affection, but she would never ask for that and no one could notice that she needed it. The truth is, nobody could never understand what she was feeling, her feelings/thoughts were to complex to be understood. She had lost the only thing that kept her from thinking about those horrible things, the only thing that used to make her feel complete, the only thing that used to give her some comfort... It was gone for good. It wouldn't come back ever again. Because the only thing that used to keep her sane, was also the only thing that could tear her apart. And it did, over and over again. That's the reason why that was over forever. And thinking about "forever" without including in the same sentence that "thing that used to keep her sane" was too much pain to handle.
Bé Silvestre

sábado, 20 de setembro de 2014

20/09/2003

Nem toda a gente conhece a dor de perder alguém, de a ver partir, tendo ainda tanto para viver com essa pessoa, tanto para lhe dizer…Pior é quando é repentinamente, sem aviso prévio, sem qualquer tipo de sinal…num minuto a pessoa está cá, no minuto a seguir já não… Depois do caixão ser fechado acabou. Nunca mais poderemos ver aquela pessoa, se não em fotos, vídeos ou através da nossa própria memória. É estranho pensar que nunca mais teremos oportunidade de ver essa pessoa, de lhe tocar, de a abraçar, de sentir o seu cheiro, de ouvir a sua voz, de ter uma conversa, de ter certas brincadeiras, ou até mesmo de discutir com essa pessoa… Perder alguém que amamos tem repercussões inimagináveis. Provavelmente, as pessoas que já perderam um ente querido nunca pensaram o quanto mudaram depois disso, o quão diferentes seriam se isso não tivesse acontecido. Mas a verdade, é que, realmente,  isso muda completamente uma pessoa.
É mentira quando dizem que nenhuma dor é eterna. Quando se vê partir alguém que se ama, a dor é eterna sim, seria impossível não o ser. Mas há que seguir em frente com a nossa vida, há que viver, há que aprender a lidar com a dor. Lidar com a dor é fundamental. Não há nenhum tipo de “receita” ou algo do género para aprender a lidar com a dor, cada um fá-lo à sua maneira, cada um demora o seu tempo. A dor é eterna, mas não tem tanta intensidade como no início. No início, chega-se mesmo a perder a vontade de viver, há dentro de nós uma explosão de sentimentos negativos… É uma mistura de desespero, negação, raiva, depressão, aflição, angústia, sufoco, entre outros tantos sentimentos horríveis…A dor sentida não tem explicação. É como se tivesse acabado o mundo. No entanto, com o passar do tempo, a dor vai amenizando. Já se é capaz de recordar a pessoa e os momentos com uma maturidade diferente, com um sorriso no rosto, em vez de uma enchente de lágrimas. É verdade que há dias menos bons, em que a saudade é sufocante e em que parece que se não virmos e se não abraçarmos a pessoa em breve, vamos morrer…mas nada disto se compara ao que se sente no início.
A verdade, é que achamos sempre que só acontece aos outros e que nunca calha a nós, mas as coisas não são bem assim. No meu caso, eu não valorizei só quando perdi, sempre valorizei, mas na maioria dos casos, “o ser humano só valoriza quando perde”. Mas devemos valorizar as pessoas que amamos, não devemos deixar nada por dizer ou fazer, porque um dia, essas pessoas podem partir, é a lei natural da vida. E, nesse caso, ter a consciência tranquila é bom. Eu confesso que hoje em dia, de certa forma, falho nesse aspecto com certas pessoas, afasto-me delas…talvez tenha sofrido uma das repercussões que falei anteriormente…talvez seja para não me magoar de novo com a perda de alguém…
20/09/2003 é uma data que, de certa forma, está e estará sempre “tatuada” em mim. Faz hoje 11 anos que partiu alguém que eu amava. Pode parecer estranho para a maioria das pessoas, pode até parecer “fita” da minha parte, mas apesar de eu ter convivido com ele apenas 6 anos da minha vida e de ser tão nova quando ele partiu, eu sei claramente que o amava, que ele era realmente importante para mim. Na verdade, acho que ninguém sabe o que isto realmente é para mim, nem a mágoa que isto me provoca. Ninguém sabe as saudades que eu tenho, nem o que eu dava para o ter de volta, nem que fosse por uns minutos.
Não é justo ele ter partido tão cedo, porque os anos que eu tive com ele não deram para o conhecer realmente, para viver com ele as coisas que eu era suposto ter vivido, para lhe dizer as coisas que ficaram por dizer… Ele não me viu crescer, não conheceu os meus irmãos, não vai conhecer os bisnetos, eu não tive oportunidade de lhe dizer que o amava… Ele perdeu e continuará a perder tanta coisa…
Não sei como é “a vida” depois da morte, mas tenho a certeza que há algo mais que” isto”. Tenho,  também, a certeza que ele olha por mim, por nós…protege-nos. Sei, porque eu pressinto-o. Por vezes, parece que ele está mesmo ali, ao meu lado. Eu sei que ele nunca nos deixaria desamparados, sem protecção.
Eu guardo com muito carinho no coração todos os momentos de que me recordo, todo o amor que ele me deu… Espero, sinceramente, um dia, vir a reencontrar-me com ele, para termos a oportunidade que não tivemos antes. Um dia, quando eu tiver filhos, eu vou contar-lhes sobre ele, sobre quem ele era, as nossas memórias, o quanto eu gostava dele…Eu sei que tu sabias, apesar de eu nunca to ter dito, mas eu amo-te avô e amar-te-ei sempre, prometo!
Bé Silvestre

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

another person

   Tudo está diferente. Tudo está mal. Tudo mudou. As coisas não estão como deviam estar e custa-me a aceitar isso. Não está certo, não está. Não é justo, não sei o que fiz para merecer estas coisas...
   Apercebi-me que agora lido com as coisas de uma maneira muito, muito diferente...já não choro, posso ficar muito mal, num caco mesmo, mas guardo tudo para mim. Não sei se isso é bom ou mau, dizem que é mau, mas enfim, as pessoas mudam...E eu comecei a lidar com as coisas de uma maneira muito, muito diferente mesmo, se soubessem...
   Eu era uma menina tão doce, tão inocente, mudei tanto, comparado com o que eu era, estou tão fria...não sei, estou mesmo diferente.
Bé Silvestre

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

avoiding things

   Ando a evitar escrever textos que expressem sentimentos, porque isso implica sentir e pensar e, sinceramente, dispenso, daí não escrever no blog à imenso tempo. Tenho escrito apenas histórias, porque é uma maneira de criar e viver vidas diferentes. Se me permitir pensar um bocadinho que seja, sou invadida por um turbilhão de pensamentos e sentimentos dos quais eu quero fugir. Só de escrever este pequeno texto, as coisas que quero evitar sentir e pensar estão "à porta" a fazer um esforço enorme para saírem, mas, de momento, vão ser mal sucedidas, porque realmente não estou com disposição, prefiro continuar a fugir e evitar.
Bé Silvestre

sábado, 21 de junho de 2014

feeling lonely

   Have you ever been in a place full of people, but, ironically, felt lonely? So, basically, that's me.
   Right now, I don't have many people by my side, believe me, it's hard...I feel 64654651 times more lonely.
   Have you ever felt like nobody likes you? Well, me again. However, I think that particular feeling it's just today...tomorrow it will be long gone (I hope)...(but it will come back, it always does...).
   I just need something (or maybe someone) that...help me find my way, because, honestly, I'm lost in life.
   Am I making any sense? I don't think so, but whatever...
Bé Silvestre

sábado, 17 de maio de 2014

uma amizade perdida

   Muita gente me fez mal, muita gente me desiludiu...senti isso tantas vezes na minha pele e fui provocar essa dor em alguém...sou tão parva, não têm noção o quanto me odeio por isso. Já foi à algum tempo, mas a verdade é que ainda hoje me custa, porque era das melhores amizades que eu tinha e que alguma vez vou ter...e eu admito, queria tanto essa amizade de volta, mas eu fiz a cama em que me deitei e a verdade é que essa pessoa está melhor sem mim agora...eu e essa pessoa temos andado a falar mais ultimamente, vejam lá o que nos foi "aproximar": uma série. Essa pessoa deixou bem claro que está bem como está e que podemos falar, mas que não vai voltar a ser o que era...tenho pena, estava disposta a lutar, estava mesmo...
Bé Silvestre

segunda-feira, 12 de maio de 2014

I'm fighting

   I've been learning how to "deal with my overthinking". It's hard, actually, it's really hard, but I have to be strong enough to deal with it, because if I don't, it will take control over me and over my life. Now I'm strong enough to make it stop and say "no, this isn't life for anybody!". My days are always full with activities and things to do. I'm fighting, I really am! And I think I found some answers, only a few, but it's better than nothing, right?
Bé Silvestre

quarta-feira, 7 de maio de 2014

aproveitar a vida

   Cada vez mais me apercebo que a vida passa depressa, muito depressa mesmo! Parece que ainda ontem tinha entrado para a primária e, pensando bem, para o ano já tenho 18 anos e já vou para a faculdade!
   A vida é curta, muito curta mesmo, por isso temos de a aproveitar ao máximo enquanto cá estamos, porque depois de morrermos, não sabemos para o que vamos. Tenho tantos sonhos para realizar, tanta coisa que quero fazer, tanta coisa que quero viver...tenho esperança de concretizar muitos sonhos e de ser muito feliz! Por vezes duvido disso, mas agora ando numa de ignorar maus pensamentos e fazer um esforço para ser positiva. Como ouvi à pouco tempo "esperança é tudo".
   Bem, agora que já vim aqui dar sinal de vida, vou estudar.
Bé Silvestre

segunda-feira, 14 de abril de 2014

someone

   Gostava de ter alguém com quem pudesse falar de tudo, assim mesmo tudo, entendem? Mas infelizmente não sinto confiança suficiente com ninguém para contar tudo, para desabafar...eu sinto tanta coisa, era bom poder contar a alguém...mas não dá, porque se eu contasse tudo a alguém, iam achar-me maluca, não me iam compreender.
Bé Silvestre

sábado, 12 de abril de 2014

escola/ensino

   Hoje venho falar de um assunto muito sério: a escola. Basicamente vou fazer uma crítica à escola/ao ensino, do meu ponto de vista. Então é assim, nós passamos 12 anos da nossa vida na escola, fora quem vai para a faculdade, e aprendemos diversas coisas ao longo desses anos. O problema é que aprendemos mais coisas inúteis para a nossa vida do que propriamente úteis, o que nos leva a esquecer a maioria das coisas. Não me venham com a tanga da "cultura geral", porque nem tudo o é.
   Do 1º ao 4º ano, eu, na minha opinião, aprendi mais coisas úteis do que inúteis. Aprendi a ler, a escrever, a contar, a história de portugal no geral e bases de inglês e claro, além disso, aprendi diversos valores. Mas a partir do 5º ano tudo se tornou tão...nem sei explicar...tínhamos disciplinas tão inúteis, "Área de Projecto", "Estudo Acompanhado", "Formação Cívica", "TIC" mas porquê?! Essas disciplinas tinham objectivos?! Eu nunca vi nenhum. Ao longo dos anos, nessas disciplinas, não fazíamos nada de jeito e em algumas não fazíamos literalmente nada. Tive outras disciplinas "fora do normal" como "Oficina de escrita", "Oficina de artes", "Oficina de ciências", mas dessas eu até gostei, porque fazíamos actividades diferentes e "divertidas". Bem, mas onde eu quero chegar é que haviam muitas disciplinas que eram apenas para nos "prender" mais tempo na escola. Não crítico o facto de nos quererem "prender" lá mais tempo, mas ao menos criavam disciplinas realmente úteis para a nossa vida futura. Além disso, ano após ano, damos sempre o mesmo nas diversas disciplinas, "um bocadinho mais para a esquerda ou para a direita", mas basicamente o mesmo.
   Falemos agora das disciplinas ditas "úteis", começando pelo português, que eu considero super importante, mas onde se focam em coisas inúteis. Na minha opinião, em português, devia ser promovida a leitura e a escrita, devíamos aprender a escrever correctamente, a conjugar verbos, a interpretar textos, não gramática inútil (advérbios, orações, etc...). É por isso que, hoje em dia, cada vez mais se vêm pessoas que não sabem escrever/falar correctamente e que não têm hábitos de leitura. É normal, visto que, muitas das vezes, não damos obras interessantes para a nossa idade. Eu entendo que chega uma altura que temos de começar a ter hábitos de leitura mais "adultos", mas se não nos incutem esses hábitos desde novos, vão começar no 10º ano? A mim não me faz diferença, eu gosto de ler e, geralmente sei interpretar quase tudo, por isso, estou em posição de criticar.
Não vou falar de matemática, ciências ou físico química, porque actualmente não tenho essas disciplinas e nunca gostei delas, não estou em posição para as julgar.
Falando de história e de geografia, acho que há muita coisa que se dá na escola que é "palha", principalmente para quem não quer seguir nada a ver com isso, no futuro. Considero importante saber história no geral, o problema é que temos de saber coisas muito pormenorizadas, coisas de há imenso tempo atrás que nem os professores sabem se é verdade, mas pronto, nem vou por aí. Quanto a geografia, julguem-me, mas não quero saber de frentes quente e de frentes frias para nada e acho ridículas certas matérias, tipo a dos transportes, porque acho que é uma questão de lógica, mas pronto, quanto a essa disciplina sou suspeita, porque a detesto.
Inglês e francês são as disciplinas que mais gosto, não tenho grande coisa a dizer, a não ser que por vezes os professores podiam ensiná-las de uma forma mais interactiva. Considero que são disciplinas importantes, porque é sempre bom saber outras línguas.
   Quanto aos professores, há bons e maus, mas eu acho que neste tipo de profissão só os melhores deviam lá estar. Um mau professor pode "estragar" muita coisa, por exemplo, se no 7º ano se apanhar um mau professor de francês (1º ano que se dá francês), lá se vão as bases todas e a partir daí, é complicado apanhar a matéria nos anos seguintes. É como o caso da matemática, se não se tiver bons professores sempre, é uma disciplina que simplesmente não dá. É impensável apanhar maus professores no 10º, 11º e 12º ano, devido aos exames, mas a verdade é que se apanham...o que me leva ao próximo tema: exames. Há coisa mais ridícula que os exames? Quer dizer, uma pessoa está ali 2/3 anos (no caso dos exames do 11º e os do 12º), chega aos exames e se por algum motivo falhar, a nota vai por água abaixo. Para quê exames se fazemos testes ao longo dos anos ? Enfim, nunca vou entender.
   Na minha opinião, o ensino devia levar uma reforma total, porque começo a achar que cada vez mais há mais desistência e desinteresse pela escola, por ela ser como é. Depois admiram-se que estejamos sempre a queixar-nos da escola...só quem anda na escola sabe como é.
Bé Silvestre

sábado, 5 de abril de 2014

accept myself

   I don't know why, but lately writing in english makes me feel better...It's strange but it's like I'm being more myself...
   I don't know what to write, I just know that I needed to do it because it makes me feel better...I'm not sad, I just...I don't know, I have these deep thoughts...I wish I could stop it...By watching "The vampire diaries" I realized that maybe if I accept myself, everything will be better and I'll learn how to deal with my deep thoughts...
Bé Silvestre

terça-feira, 25 de março de 2014

desafio das séries

   Hoje trago algo muito diferente, algo que eu nunca tinha feito no blog. Mas afinal de contas, é sempre bom fazer coisas diferentes, certo? Além disso faz todo o sentido, devido ao facto de andar viciada em séries. Então aqui vai...
A. Faz uma lista das tuas séries favoritas (sem ordem particular) e responde às perguntas. 
   1. The Vampire Diaries
   2. Charmed
   3. Revolution
   4. Terra Nova
   5. Switched at birth
B. Personagem favorita da série #2?
   Piper, Phoebe e Cole.
  

C. Personagem que menos gostas da série #4?
   Lucas

D. Episódio favorito da #3?
   Pergunta complicada...no geral, adorei todos!
E. Temporada favorita da #5?
   Gostei de todas, mas especialmente da 1ª.
F. Casal favorito na #1?
   Damon e Elena, óbvio!

G. Aquele casal que não gostas mesmo da #2?
   Não sei...
H. Há quanto tempo vês a #5?
   Desde o verão passado.
I. Como ficaste interessada na #3?
   Andava a pesquisar no wareztuga séries de ficção científica (minha paixão recente), interessei-me pela história, vi o primeiro episódio e fiquei viciada
J. Actor favorito da #4?
   São dois, Jason O'Mara e Stephan Lan












K. Entre a #1, #2 ou #5, qual preferes?
   1
L. Viste mais episódios da #1 ou da #3?
   Está renhido.
M. Como matarias a tua personagem favorita na #2?
   Não matava, óbvio!
N. Se pudesses ser alguém da #4, quem serias?
   A Maddy.

O. Uma frase qualquer da #1.
   "I love you, Elena. And it’s because I love you that I can’t be selfish with you, why you can’t know this. I don’t deserve you, but my brother does." (Damon)










P. Um crossover entre a #3 e a #4 funcionaria?
   Eu acho que sim...mas era preciso por o cérebro a funcionar.
Q. Duas personagens que fariam um par improvável, mas ok, da #1?
   Ai, não sei, tudo o que me parece improvável acontece, por isso...
R. Em geral, que série tem o melhor elenco, a #3 ou a #5? 
   Talvez a 3 (?)
S. Quem tem melhor música, #2 ou #4?
   Não sei, muito sinceramente.
Bé Silvestre

quarta-feira, 19 de março de 2014

bad feelings

   I feel so lost, so empty...I mean, actually, I feel lost and empty since I was born. I feel like I don't have a purpose, like I'm here for nothing.
   I have so many questions, which, by the way, will never get answered. I don't know what I'm doing here, I don't know what to do with my life...I wanted to do something that actually meant something, you know? But it's hard.
   I feel sad 'cause I think we born alone, we live alone and we die alone...it shouldn't be like that, right?
   I don't make any sense. I overthink and that drives me crazy...even simple things like watching a movie or reading a book makes me overthink. I just wanted to turn it off.
Bé Silvestre

sábado, 8 de março de 2014

feeling lost

   Sinto-me perdida...quero fazer tanta coisa e acabo por não fazer nada. Aprendi em português, à uns dias, que a isso se chama "diletante". Mas eu não quero ser assim, eu quero realmente fazer muita coisa, mas não faço, por falta de tempo, falta de dinheiro ou, por vezes, preguiça. Eu luto tanto para conseguir fazer as coisas, luto mesmo, faço um esforço enorme...mas...parece insuficiente. Cada vez mais duvido de mim e das minhas capacidades. Cada vez tenho mais duvidas quanto ao que quero e quanto ao meu futuro...QUE RAIVA!
Bé Silvestre

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

"You think big, you get big."

   Tenho grandes planos para mim e para a minha vida, há muitos sonhos que quero concretizar, muita coisa que quero fazer...há quem ache que sonho demais, já eu, pelo contrário, acho que, como se costuma dizer "querer é poder", basta lutar! Sou ambiciosa, sim, e daí? "You think big, you get big." SIMPLE.
Bé Silvestre

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

desabafar

   Não gosto de desabafar. Sabem o que é mais irónico ? É que me faz bem, de certa forma. Mas eu não gosto, por vários motivos, um deles é o facto de as minhas coisas estarem mais seguras dentro de mim, não correndo, dessa forma, o risco de a minha vida "andar na boca do povo". Mas esse facto nem é o mais relevante, porque eu tenho pessoas em quem confiar, poucas, mas as melhores. Eu não gosto de desabafar, porque sinto que ninguém me entende, por muito que até se esforcem. Só nós sabemos o que sentimos e por mais que nos esforce-mos, nunca nos vamos conseguir entender a 100% uns aos outros. Mas...eu sinto que nem a 50% me entendem...Sinto que desabafar, apesar de me fazer bem, é em vão. Além disso, não gosto de chatear as pessoas com as minhas coisas, acho que as pessoas têm mais que fazer e têm os seus próprios problemas, não necessitam de levar com os meus dramas...
Bé Silvestre

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

irmãos

   Os meus irmãos são T-U-D-O para mim! Eu dava a minha vida por eles sem pensar duas vezes, eu ia até ao fim do mundo por eles e era até capaz de matar, se alguém lhes fizesse mal! Não consigo compreender aqueles irmãos que se dão super mal e que se estão sempre a tentar "lixar" uns ao outros, juro que não me cabe na cabeça mesmo!
   Na sexta-feira fiquei mesmo "comovida" com eles! Começando pelo mais pequeno, que quando o fui buscar ao infantário, veio a correr ter comigo, deu-me um abraço e um beijo, disse o meu nome e, de seguida, soletrou-o. Depois, fui para casa e o meu pai chegou com o meu outro irmão. Eu estava na cozinha a comer e o meu pai aproveitou para "gozar" um bocadinho com ele e disse-lhe "A mana ligou a dizer que não pode vir este fim de semana". Ele foi a correr para o quarto a chorar e nem viu as minhas coisas lá. A minha madrasta chamou-o à cozinha para ele ir comer e ele lá foi, desfeito em lágrimas e...quando me viu, veio a correr ter comigo e abraçou-me durante imenso tempo. Soube-me tão bem! Foi um abraço sincero mesmo! Estive a um passo de chorar...sou uma lamechas!
Bé Silvestre

sábado, 15 de fevereiro de 2014

excesso de pensamentos

   As pessoas nunca vão perceber o que eu sinto! Se eu própria não percebo, como é que os outros podem perceber? É impossível. Gostava que houvesse alguém como eu, que sentisse estas coisas, tão profundas, tão estranhas, que mais ninguém sente, mas...ainda não encontrei ninguém assim e, apesar do mundo ser enorme, acho que não existem muitas pessoas assim. Eu penso em coisas que mais ninguém pensa, eu questiono coisas que mais ninguém questiona...é estranho, uma rapariga da minha idade pensar nestas coisas, quando devia era estar a curtir a vida. Estes pensamentos/sentimentos dão comigo em doida, às vezes só queria que o meu cérebro tivesse um botão para desligar, por um bocadinho que fosse.
   O pior de tudo? Não chego a conclusões e não obtenho respostas, é frustrante.
Bé Silvestre

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

family

   Eu tenho plena noção que não demonstro o meu amor pela minha família, porque não ligo a ninguém, nem tento combinar nada...eu não gosto de tomar essa iniciativa, não é por mal, é a minha maneira de ser mesmo e também não estou à espera que as pessoas andem atrás de mim feitas cadelas, pois o esforço tem de vir sempre de ambos os lados. Eu sinto-me mal por ser assim, porque até à uns anos atrás, eu tinha uns laços super fortes com a minha família e agora nem tanto...e com família eu quero dizer, essencialmente todos os meus avós, porque é maioritariamente com eles que eu erro, nesse aspecto. Eu fui criada por eles e agradeço-lhes isso, do fundo do meu coração mesmo! Ainda me lembro de quando passava todos os fins de semana em casa da minha avó Cila e íamos às compras todos os sábados...e do facto da minha bisavó me aparar sempre os golpes...enfim, entre tantos outros momentos...Eles acham que não, mas dói...dói perder ligações tão fortes...e eu tenho plena noção que, um dia, quando morrerem, vou arrepender-me...tudo tem um motivo, não é? Óbvio que eu não sou assim à toa, não vale a pena dizer o porquê, mas posso dizer uma coisa...eu podia recuperar a nossa ligação, certo? Era só fazer um pequeno esforço, eles também o fariam...mas...eu não quero apegar-me de novo e voltar a perder alguém...não suporto essa dor outra vez...Estou a ser muito egoísta e parva, tenho plena noção disso, mas há coisas que só nós sabemos e só nós sentimos...Quando eu ligo e tento combinar coisas, acreditem que é de boa vontade e que fiz um esforço enorme!
   Também não sou a mais justa com o meu pai, quase sempre é ele a ligar-me...mais uma vez digo, não é por mal, eu sou mesmo assim...
   Será que eu devia mudar? Sim...mas...tenho medo, tenho de ganhar coragem e força...
   Agora estou triste e sinto-me super mal, desculpem, a sério, eu amo-vos a todos, juro que sim, gostava tanto que lessem isto e percebessem...

Bé Silvestre

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

make a wish

   Olá minha estrelinha! Sabes, vi esta imagem e lembrei-me de ti...sim, porque tu és a primeira pessoa de que me lembro quando olho para o céu estrelado...aliás, eu lembro-me de ti frequentemente. Prometo que hoje, enquanto estiver a escrever isto, não irei chorar, irei simplesmente recordar tudo com um sorriso na cara.
   O teu aniversário está a chegar e eu tenho muita pena de não puder celebrá-lo contigo aqui, do meu lado, fisicamente...eu disse "fisicamente", porque em espírito tu estás sempre cá, eu sinto, és tu quem me protege de tudo! Eu queria puder comprar-te um presente, entregar-to e ver a tua reacção ao abri-lo...queria que houvesse um bolo gigante, tal como tu mereces... Enfim, nada disso será possível, no entanto, vou cantar-te os parabéns de qualquer maneira, prometo!
   Noutro dia, a mãe disse que a culpa de eu adorar doces é tua, eu ri-me e fiquei orgulhosa, sabias? Mostraste-me um dos maiores prazeres da vida! A propósito, ela é capaz de ter razão, tu davas-me um kinder todos os dias, à noite, quando o pai ia tomar banho...e já me disseram que nós os dois às vezes nos escondíamos a comer bolachas...hmmmm...éramos demais!
   Um dia hei-de reencontrar-te e depois disso? Nunca mais te largo, juro! Até lá, irei recordar-te com imenso carinho, amo-te!
Bé Silvestre

domingo, 26 de janeiro de 2014

take me anywhere

   Já tiveram vontade de viajar, "fugir" de tudo, nem que fosse só por uns dias? É assim que me sinto agora...queria ir para um sítio bem longe daqui, conhecer pessoas novas, viver aventuras, sei lá...espero que esteja para breve...

Bé Silvestre

domingo, 19 de janeiro de 2014

O que é que te impede?

   Quantas vezes o medo te impediu de fazer algo? Querias tanto fazer algo, mas o medo de arriscar e a hipótese de errar era tão grande, que acabas por não o fazer…
   Gostava de ser daquelas pessoas que são super corajosas e têm como lema de vida “quem não arrisca, não petisca”. Porque é que o medo vence sempre? Porque é que eu tenho tanto medo da mudança? E, em contrapartida, porque é que odeio rotina e cada vez mais quero algo novo na minha vida? Eu tenho tanto medo da mudança essencialmente porque tenho medo de errar. Não gosto de errar, não gosto mesmo, tenho pavor. Mas eu ando a precisar tanto, mas tanto de uma mudança na minha vida, estou a dar em doida…
   Mas...o que é que me impede?
Bé Silvestre